domingo, 14 de dezembro de 2008

Doce dezembro


E de repente começa a sentir uma sensação que vem surgindo, como se algo estivesse preso em uma caixa e agora estivesse sendo libertado, mais não sabes dizer se era bom ou ruim, mais podia sentir com tamanha intensidade, que não se sentia nem um pouco confusa. E só agora teve a certeza do que quer, depois de tanto esperar, agora anseia ouvir o timbre da tua voz.
Quer tanto sentir – se protegida no teu abrigo, no único que se sente realmente segura. E quer devorar – te, pois só o teu sabor tem o gosto que teus lábios desejam saborear. E anseia tanto o teu cheiro que é tão suave e docemente envolvente.
E nenhum espelho é capaz de refletir o que se passará em um silêncio de emoção que ela pode sentir ao tocar-te, naquele momento é capaz de flutuar no céu de estrelas que pensava terem se apagado.
Só agora pode resgatar todo o brilho dos teus olhos que pensava não mais existir. Só tu foste capaz de recarregar todo o amor que havia adormecido, só tu em um dezembro de ano qualquer. Fecho os olhos e posso te sentir.

4 comentários:

Marcio Santos disse...

Blog manero
texto interessante!

atualize sempre!
abraço.

Se puder passa no meu
http://paginadacomedia.blogspot.com/

. lú disse...

gostei do texto, algo voraz e selvagem, com uma escrita detalhista, adoro quem escreve assim.

voltarei, abraços.
http://vassouracareca.blogspot.com/

Blog PFA disse...

gostei do texto, adoro detalhes, eles incrementam o texto

Cássia Barbosa disse...

Muito bom seu texto... Criativo, prende a gente.
Gostei mesmo.
Parabéns!

http://www.porta-joias.blogspot.com/

Minha lista de blogs